menu

Sorteios

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

24 Resenha [livro] - Orgulho e Preconceito

Bom dia, queridos!!

Eis que finalmente!!!!! finalizei a leitura #3de60 do Desafio Literário 60 Livros em 1 ano, do Blog Livros & Tal...!!

Era para ter sido terminado em janeiro, mas eu estive como sempre ligeiramente atolada e, por que não confessar, levemente irritada com a leitura...

Correndo o risco de ser apedrejada a cada 5 segundos daqui até o final da minha vida, vamos resenhar o clássico Orgulho e Preconceito, da autora inglesa Jane Austen.

Orgulho e Preconceito
Autora: Jane Austen
Editora: Martin Claret
Ano: 2012
Ano da 1ª publicação: 1813
Gênero: Romance de época

*Livro do acervo pessoal do/a blogueiro/a*

Sinopse:
O romance retrata a relação entre Elizabeth Bennet (Lizzy) e Fitzwilliam Darcy na Inglaterra rural do século XVIII. Lizzy possui outras quatro irmãs, nenhuma delas casadas, o que a Sra. Bennet, mãe de Lizzy, considera um absurdo. Quando o Sr. Bingley, jovem bem sucedido, aluga uma mansão próxima da casa dos Bennet, a Sra. Bennet vê nele um possível marido para uma de suas filhas. Enquanto o Sr. Bingley é visto com bons olhos por todos, o Sr. Darcy, por seu jeito frio, é mal falado. Lizzy, em particular, desgosta imensamente dele, por ele ter ferido seu orgulho na primeira vez em que se encontram. A recíproca não é verdadeira. Mesmo com uma má primeira impressão, Darcy realmente se encanta por Lizzy, sem que ela saiba do fato. A partir daí, o livro mostra a evolução do relacionamento entre eles e os que os rodeiam, mostrando também, desse modo, a sociedade do final do século XVIII. Considerado a obra prima de Jane Austen, 'Orgulho e Preconceito' ganhou diversas versões para o cinema e televisão, a mais recente em 2005, com interpretações de Keira Knightley e Matthew Macfadyen nos papéis principais.




Jane Austen é considerada a primeira romancista moderna da literatura inglesa. Seu primeiro livro foi publicado antes de completar 21 anos de idade. Além de um romance, muitos estudiosos consideram Orgulho e Preconceito como a primeira obra de comédia de costumes da literatura mundial.



Sobre a história: Interior da Inglaterra do século XVIII. No jantar da família Bennet, um novo assunto é a notícia mais impactante do dia: uma propriedade próxima foi enfim alugada por um rapaz solteiro de amplas posses oriundo do norte da Inglaterra. A Sra. Bennet acha que é necessário urgentemente convida-lo para um jantar, a fim de que ele conheça suas filhas. Se pelo menos uma das cinco filhas (Jane, Elizabeth, Mary, Lydia e Kitty) se casasse, a família teria uma vida melhor. 


No primeiro baile oferecido na cidade por uma vizinha mais abastada, todos conhecem o Sr. Bingley, que alugou a propriedade, e seu amigo introspectivo e taciturno Sr. Darcy. A cidade inteira antipatiza com Sr. Darcy apenas porque ele não interage bem com as pessoas. Nesse mesmo baile, Elizabeth (Lizzy) se sente humilhada pelo Sr. Darcy por não ter sido convidada para mais de uma música, sabendo posteriormente que o rapaz não se mistura com famílias de renda menor do que a sua.

Reviravoltas mil e vários locais e personagens depois, Lizzy começa a perceber que seu julgamento sobre o caráter do Sr. Darcy está equivocado e passa a vê-lo de outra forma. Após muitas frases impertinentes de Lizzy, Sr. Darcy percebe o quão preconceituoso e mesquinho tem sido e se esforça para ser uma pessoa melhor, a fim de conquistar Lizzy, por quem se apaixonou.

Os personagens tem personalidade bem definida, características individuais e marcantes. William Darcy é rico, orgulhoso, arrogante e preconceituoso, mas se justifica dizendo que aprendeu a ser assim e nunca antes foi repreendido por isso. Aos poucos, mostra sua personalidade cativante, além do carinho e bondade extremos para com sua irmã e amigos. Elizabeth Bennet é a segunda filha mais velha da família, sem dotes de casamento, transbordando petulância e pensamentos à frente de sue tempo.

Os personagens secundários são imprescindíveis para o bom andamento da história. Todos estão conectados ao romance principal de uma forma ou de outra. Alguns eu queria matar, como Lydia Bennet, a irmã caçula, cuja razão de viver era correr atrás de soldados e fazer compras. Vai ser fútil assim lá longe!... Outro personagem que eu mataria sem dó nem piedade seria o Sr. Collins, primo distante da família Bennet, que irá herdar a propriedade deles após a morte do Sr. Bennet (morgadio - uma lei idiota na Inglaterra em que bens imóveis só podem ser repassados a herdeiros masculinos). Sr. Collins é o supra-sumo da chatice eloquente: vive para enaltecer e para esfregar na cara de todo mundo a nobre Lady Catherine.

Sobre a parte técnica, posso dizer que a editora Martin Claret está de parabéns, com uma exceção. A capa desta edição é totalmente vermelha, com detalhes em dourado do que parece ser uma roseira ou um Hibisco (nunca gostei de botânica). O título do livro está em fonte script (estilo manual rebuscado) na cor preta, e o nome da autora também em preto está logo acima em fonte serifada.


Na diagramação interna, as páginas que seriam em branco foram preenchidas com mesma imagem da capa, mas em escala de cinza, dando um toque especial. Narrado em terceira pessoa, com narrador onisciente (sabemos de tudo dos personagens), os capítulos sempre começam na página da direita, sendo apenas nomeados, sem título. No mais, páginas amareladas, margens justificadas, fonte em bom tamanho.


O que pegou mal foi a formatação do primeiro parágrafo de cada capítulo. Este foi formatado em uma fonte rebuscada similar à do título do livro. Com margens diferenciadas do restante do texto, e apesar de terem um tamanho razoável, tais fontes eram difíceis de ler, especialmente a noite. 

Como opinião final, posso dizer que o livro não só é bem escrito como merece cada título e prêmio que já lhe foram concedidos. Jane Austen colocou o sarcasmo nos diálogos de seus personagens com maestria, você quase sente o veneno destilando. É impecável o modo como ela demonstra sutilmente o preconceito de classe nos costumes e diálogos dos personagens. É incrível a forma como está especificado que primeiras impressões sobre uma pessoa são bem diferentes de história de vida e atitudes.

"Mas, então, por que você disse que se irritou com a leitura?" Bom, começando com o fato de eu não gostar das tendências melodramáticas de ninguém, especialmente em romances, já comecei a leitura meio 'assim'... Mas era Jane Austen, vamos dar muitos créditos. 


O problema principal não foi bem com o romance em si, apesar de eu achar que nossa querida Lizzy pareceu um tantinho interesseira quando começou a se apaixonar pelo abusado Sr. Darcy somente após conhecer sua mansão requintada (tá ok, o comportamento ajustado dele ajudou, mas tipo, foi a mansão que deu start).

"E qual foi?" Foi o que me é irritante em todos os romances de época e até nos romances atuais: essa dependência e desespero feminino pelo casamento. Essa afetação de viver em torno de conseguir marido me cansa!... Eu sei que aquela época era diferente, que só mulheres casadas eram bem vistas socialmente falando, que blá-blá-blá, mi-mi-mi... Não tenho como negar: eu sou moderna. Sim, eu me casarei (se me apaixonar por alguém a este ponto), mas não vou fazer disso a razão da minha vida, pombas!

Enfim.... Levando em consideração que nossa querida Jane usou este fator irritante para satirizar a sociedade inglesa, ela ganhou vários pontos comigo, apenas pela cara e pela coragem. Mulheres à frente de seu tempo, juntemo-nos!






Pérolas da minha surdez: aprendendo a ser surda depois dos 30!

Meu livro está em pré-venda! Encomende o seu diretamente comigo e garanta seu exemplar autografado com marcadores personalizados e brindes surpresas!

O lançamento? Marcado:
19/março - Rio de Janeiro/RJ



Por favor, não me julguem muito mal!

O romance é lindo, os costumes é que me mataram!

Boa leitura!

Até + ver!


24 comentários:

  1. Quero muito lerrrrr!!! Confesso que não conheço seu blog, descobri ele agr por conta do sorteio do livro falado... mas mesmo se eu n ganhar vai valer a pena pq vc escreve super bem, nunca vi uma resenha com tantas informações♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Angel!
      Puxa, obrigada!!! Que bom que te ganhei assim de primeira!... Olha só... no mês de março esse livro é o prêmio do Top comentarista! Se vc acompanhar a gente, pode acabar levando! Tenta!!!
      um beijo!

      Excluir
  2. Ahhhh nem foi tão ruim assim Nutella tu pegou leve cara!!
    Eu ainda não li Jane, sim sou A Diferentona kkkkkk
    Mas quero ler, sinceramente não sei se vou curtir muito pq to lendo a versão moderna e não curti tantoooo a mãe dela por exemplo se for igual da versão século XXI ta amarrado eu mataria a minha mãe se fosse tão vaca assim, a mulher quer leiloar a torto é direito as filhas como se fossem vacas premiadas....
    Enfim, amei a sua parcimônia como sempre tu é fina benhê, chic e sua resenha ta top de linha!
    Beijocas com sabor de pipoca doce.

    Giuliana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkk... to mais pra phyna, meu bem!... Asim, o livro é bom, Jane foi uma mestra, mas os costumes da Inglaterra.... queopariu!!!... Não tenho saco pra isso nem agora em 2016, quem dira em 1800 e minha bisavó nanava... E sim, a mãe dela é mesmo esse personagem chato, leiloeira!.. rsrs
      Só vc pra me fazer rir !... bjs!

      Excluir
  3. Nu, eu ri de algumas coisas que você escreveu, adoro a sua sinceridade. Eu ainda não li Orgulho e Preconceito, mas vou ler a obra em breve. Amozi me deu uma edição linda de viver, tenho até pena de folhear. hahahah Estou numa onda de romances de época, que quero me jogar em todos. E claro, que tenho que conhecer a escrita espetacular - assim dizem - da Jane. Fiquei ainda mais curiosa depois da sua resenha.

    Beijos,
    Dai | http://www.cheirodelivronacional.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma forma de escrever bem peculiar. Aqui no Brasil, Aluísio de Azevedo escreveu comédias de costumes mas de forma mais dramática, sem tanta sátira e sarcasmo. Jane pisava mesmo na sociedade inglesa da época. Juro pra vc que dava pra ver o veneno escorrendo pelas páginas! rsrs
      bjin!

      Excluir
  4. Olá Nu,
    Ainda não li esse livro, mas também não gosto dessa psicose da mulher querer achar um homem para casar... tudo bem que era a época rsrs
    Eu li uma adaptação moderna desse livro de uma autora nacional, quem sabe você vai gostar? O livro se chama primeiras impressões da autora LRDO.
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vou procurar Daya, quem sabe uma visão moderninha me ajuda a querer não trucidar as personagens daquela época?... rsrs..
      beijos!

      Excluir
  5. Oi Nu...
    Tenho até vergonha de falar, mas nunca li nenhum livro da autora e nem assisti aos filmes, tenho curiosidade de conhecer a obra, mas como surgem muitos livros novos por dia, sempre acabamos colocando um na frente né... rsrsr
    Quero muito ler um livro da autora este ano, e provavelmente será esse, já que pra mim é o que mais chama atenção.

    Amei seu post.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não fique com vergonha, essa foi minha primeira vez também e, confesso, só li por causa do desafio (que não consegui cumprir)!
      Se você gosta do gênero, valerá a pena!
      beijos!

      Excluir
  6. Oi Nu!
    Um dos motivos de eu ainda não ter visto o filme, foi porque eu quero ler Orgulho e Preconceito. É uma vergonha eu disser isso, mas eu nunca li e mesmo eu querendo ler, às vezes sinto uma preguicinha sabe?
    Eu sei que o livro é muito bom, devido a todos as resenhas que eu li e as premiações que ganhou. Espero esse ano tomar vergonha na cara e ler :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha... entendo de preguicinha!!!... rsrs
      mas não se acanhe! Esse foi o único dela que li, e não sei se me atiraria em outros... Pelo menos descobri o que me deixa irritada com os romances de época! XD
      um beijo!

      Excluir
  7. Nu!!! Amei tua resenha!! A análise ffeita foi maravilhosa! Gosto bastante do livro e Jane foi diva ao escreve-lo, como forma de cutucar os costumes da época. Também concordo contigo: né incomoda muito ler romances onde as mulheres ficam nesse desespero pra casar ou são as submissas da história... Por mais mulheres fortes nos livros...beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gente, é que me mata nesses romances tudo! Putz grila, não pode almejar ser feliz de qq outro jeito além de amor, precisa ser só amor?! Caracas....
      Enfim, se não fosse essas sátiras e sarcasmos todos, eu não teria gostado tanto...
      beijo Suzy!

      Excluir
  8. Oi Nuccia, menina eu nunca li mas tenho uma enorme vontade de ler os livros da Jane Austen. Sua resenha está maravilhosa, você falou tão bem do livro e da história que fiquei encantada. Essa edição está muito bonita e achei os detalhes das folhas em branco lindos, sobre a fonte diferente eu acho que pela foto parece ser ruim de ler mesmo, ainda mas que eu tenho problema de visão mas só com o livro em mãos para saber.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      A fonte era irritante demais pra ler à noite, mas de dia, dava de boa... Querer rebuscar demais nem sempre é bacana..!
      Obrigada!..bj!

      Excluir
  9. Olá... tudo bem???
    Eu adoro romance de época... porque as mocinhas (protagonistas) são a frente de seu tempo... mas concordo que esses costumes são irritantes e e eu agradeço por ter nascido nesse meu tempo.... rs... mas eu tenho vontade de ler o livro já que amo tanto o filme... assisto mil vezes e não enjoo rs... eu gostei dessa edição... a capa vermelha está bem trabalhada.... xero!!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma edição muito bonita!! Gostei bastante do livro, como vc disse, os costumes é que matam! rsrsrs...
      beijinhos!

      Excluir
  10. Oi Nuccia, que postagem linda <3
    Quero muito ler essa obra. Nunca li nada da autora, que vergonha, e preciso reverter essa situação. Sempre assisto a adaptação, mas o livro ainda preciso ler.

    Beijokas da Quel ¬¬
    Literaleitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha... relaxa! Se não fosse um desafio literário, nem teria lido também! rsrs... Minha irmã é mais chegada nesses romances que eu!
      Beijos, Quel!

      Excluir
  11. Oi Nu,
    Esse é um dos clássicos que esta na minha lista de Preciso Ler hahahahahaha, eu amo romances de época mesmo elas sendo desesperadas por casamento, sendo assim, a maioria dos que leio sempre tem uma citação, e não só eles como outros também, o que só aumenta a minha curiosidade pela renomada Jane Austen.
    Amei sua resenha, e entendo perfeitamente seus contras hahahaha

    Beijokas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kelly!
      Se você gosta mesmo desse estilo, você vai adorar OeP (ou qq outro livro da Austen)!
      ;)
      bjs!!!

      Excluir
  12. Oi!
    Quero muito ler esse livro da Jane Austen, ainda não li nada da autora mas sempre vejo vários elogios a sua escrita que me deixou bem curiosa e gostei muito da historia desse livro !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você gosta de romances de época, então é perfeito pra vc! Quem sabe não ganha o top comentarista, é só se inscrever! ;)

      Excluir

Seja legal: aumente nosso ego deixando seu comentário!
Mas, ei! Cuidado aí! Sem comentários ofensivos!
Um imenso obrigado de todos nós!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...